The 100 4ª Temporada | “Essa não é uma série de finais felizes” fala Jason Rothenberg

0

A 4ª temporada de The 100 mostra Clarke, Bellamy e a gangue enfrentarem seu maior inimigo até então: a própria Terra. Como eles irão escapar disso?

Descubra o que Jason Rothenberg, produtor executivo e criador, fala sobre a nova temporada e o futuro da série.

Um dos pontos altos da 3ª temporada, para mim, foi ver os delinquentes se reunindo novamente no final da temporada. Mas claramente eles estarão se dividindo novamente na 4ª temporada, e nos primeiros episódios já estamos vendo o começo do que poderia ser uma grande divisão ideológica para o grupo, com base em se eles estão dispostos a fazer o que for preciso para salvar tantas pessoas quanto possível, ou se eles vão estar mais focado em salvar vidas individuais vivendo dia de cada vez. Você pode falar um pouco sobre como essa divisão afetará os principais relacionamentos? 

Jason Rothenberg: Bem, em primeiro lugar, ninguém pode realmente concordar com todo por muito tempo, porque isso seria chato (risos). Mas certamente haverá uma divisão ideológica nesse sentido: Qual é a coisa certa a se fazer em uma situação em que você está enfrentando uma ameaça que essencialmente irá destruir o mundo e acabar com a vida de todos? Iremos nos salvar, salvamos nosso povo? Ou tentamos encontrar uma resposta para salvar a todos?

Eu acho que ambos os pontos de vista são válidos, e para mim, The 100 está no seu melhor quando está fazendo perguntas que realmente não há boas respostas sobre. [No episódio 2 da 4ª temporada], Bellamy tem que fazer uma escolha entre salvar quem pode salvar hoje e sacrificar [expulsar] para salvar seu povo – e como você argumenta contra qualquer uma dessas posições? Isso é o que é interessante para mim. E obviamente já fizemos isso várias vezes durante todo a série.

E depois há a posição de Clarke nesta temporada: ela meio que evoluiu seu tribalismo; Ela vê mais do que apenas os Skaikru. Em grande parte isso é graças ao seu relacionamento com Lexa e o que Lexa lhe ensinou sobre a vida no mundo. Clarke agora vê todos como um povo e está procurando uma maneira de salvar todo mundo. Isso é a origem de alguns dos conflitos interessantes e drama desta temporada, com certeza.

Você poderia me dizer quais tramas de personagens você está mais ansioso para ver a reação dos fãs na 4ª temporada? E há alguém cujo arco possa ser particularmente surpreendente?

Rothenberg: Em termos de surpresas, acho que a jornada da Octavia nessa temporada é incrível – quero dizer, sua jornada tem sido incrível desde o primeiro dia – mas nesta temporada, em particular, é realmente boa. Echo é um personagem que tem sido, pessoalmente, surpreendente para mim, e Roan é outro.

Clarke, como sempre, é o centro de tudo, a sua jornada nesta temporada e o desempenho de Eliza [Taylor] é impressionante. E Bellamy… (risos) Eu realmente não tenho favoritos, é muito difícil para mim, porque eu os amo. Eu amo todos eles tanto. Mesmo os que estão mortos! Para mim, a morte não é o fim de um personagem. Não é como, ‘Oh meu Deus, eu estou matando eles porque eu os odeio.’ Para mim, a morte é parte do que faz a série.

Não é nenhum segredo que a 3ª temporada foi um ano difícil para a série e para você como showrunner. Você poderia me dizer um pouco sobre como isso, como uma experiência de aprendizado, afetou sua abordagem para a 4ª temporada e as escolhas que você fez?

A única coisa que eu vou dizer, tanto quanto o que eu aprendi na temporada passada, é apenas que a maneira como eu vejo as coisas e a maneira como eu vejo a série nem sempre é a maneira que os fãs vêem o show. Eu olho para um personagem ou relacionamento terminando tragicamente como uma coisa dramaticamente bom. Para mim, as maiores histórias de amor de todos os tempos são tragédias. Mas nem todo mundo olha para isso dessa forma. Outras pessoas querem finais felizes. Mas essa não é uma série de finais felizes. Então isso é algo que eu aprendi com certeza.

Mas, você sabe, a série inspira paixão, e foi realmente uma honra e um prazer estar envolvido com algo que as pessoas ficam tão emocionais. E às vezes essa emoção é difícil, às vezes essa emoção é negativa para mim pessoalmente, mas eu posso lidar com isso. Acho que é emocionante fazer parte de algo assim.

Voltando para a 4ª temporada, a reação dos fãs afetaram como você se aprofundará em algumas histórias, ou irá contar a história que quer contar?

Rothenberg: Não vamos mudar a maneira como contamos a história. Você sabe, este é um mundo onde os personagens morrem, este é um mundo que é sobre sobrevivência, não é apenas sobre relacionamentos. Mas há relações, é claro; As pessoas se amam e isso é uma grande parte da história.

E vou dizer que acho que há um sentimento mais esperançoso englobado nesta temporada, apesar desta coisa horrível que eles estão enfrentando. Você descobre o que você acredita e quem você é quando você olha para baixo e vê o cano de uma arma mirado em você. Portanto, esta temporada é escura e implacável, certamente, mas também é surpreendentemente esperançosa. E isso é diferente da temporada passada, que foi apenas implacável (risos).

É obviamente cedo demais  para dizer sobre isso sendo que a estreia da temporada ainda não aconteceu, mas baseado em suas conversas com a emissora e apenas seu sentido total dele, como você classificaria as chances de The 100 ser renovada para uma 5ª temporada?

Rothenberg: Bem, é claro que essas conversas estão muito acima do meu cargo, mas eu sinto que… Vamos apenas dizer que eu estou incrivelmente otimista sobre uma 5ª temporada. A temporada que você está prestes a ver termina de uma forma grandiosa com as chaves para a próxima temporada. E eu sei que todos na emissora amam aquelas histórias e teremos potencial para uma quinta temporada. Então eu acho que os fãs podem … Eu acho que eles devem ficar esperançosos, eu acho que eles devem ser otimistas.

Além disso, a série tem ido incrivelmente bem em todo o mundo. O padrão de telespectadores da temporada passada foi idêntico à temporada anterior, começamos alto e terminamos um pouco menor. E na Netflix, +3, +7, todos esses indicadores são realmente muito bons. Então eu me sinto ótimo sobre isso. Não estou ouvindo nada além de coisas boas.

Um dos componentes chave da série sempre foi a parceria e liderença de Clarke e Bellamy, que representam diferentes pontos de vista e filosofias, e geralmente precisam se reunir no final de cada temporada para resolver o grande problema. Você pode me dar uma indicação de quanto vamos vê-los trabalhando juntos na 4ª temporada?

Rothenberg: Sim. Eles estão bastante juntos nesta temporada. Acho que a série está no seu melhor quando Clarke e Bellamy estão juntos, e quando eles estão lutando pela mesma coisa. Eles nem sempre concordam – e certamente nem sempre concordam com táticas -, mas uma grande parte da jornada da temporada, para todos os personagens, mas para esses dois em particular, é aprender uns com os outros.

Você disse antes que Bellamy é o “coração” e Clarke é o “cérebro” do relacionamento. Será que o equilíbrio mudará na quarta temporada?

Rothenberg: Bellamy ainda é principalmente coração. Ele não pensa o suficiente quando ele reage, e ele precisa começar a fazer isso para que ele possa se tornar um líder plenamente realizado. Isso é o que é a jornada dele nessa temporada. Mas acho injusto com Clarke dizer que ela não usa seu coração, porque eu acho que Clarke é praticamente… bem, incrível, no geral. Ela é obviamente inteligente pra caramba, mas ela também é muito compassiva.

Então é mais sobre a redenção de Bellamy, e sobre ele tentar superar algumas das decisões ruins que ele talvez tenha feito no passado. Quanto a Clarke, vai ser sobre ela aprender a confiar em seus amigos e perceber que talvez ela não possa fazer tudo sozinha. Isso é algo que vamos ver dela nesta temporada.

Agora você está enfrentando uma catástrofe ambiental, que também é muito real! Então, como você, como contador de histórias, tenta refletir o que está acontecendo no mundo real e usa na série como um veículo para explorar algumas das situações que estamos enfrentando agora?

Ambientalmente, quero dizer, a coisa mais importante que temos é este planeta, o ar que estamos respirando. E eu acho que isso vai se tornar uma realidade cada vez mais rápida se não fizermos algo em breve, se não for tarde demais. Espero que nós, como mundo, seremos capaz de unir os braços e perceber que estamos nisto juntos. O ambiente não respeita uma fronteira. E em algum nível que é o que essa temporada é, que é o que os personagens estão enfrentando: Podemos ser mais do nossa estação, podemos ser mais do que nosso clã e fazer o que é certo para todos antes que seja tarde demais?

A 4ª temporada de The 100 estreia no dia 01 de fevereiro de 2017 nos EUA. No Brasil a série será exibida pela Warner Channel, que ainda não divulgou uma data de estreia oficial.

Quer ficar por dentro de TUDO sobre a série e os livros? Acesse nosso site diariamente e nos siga no Twitter: @The100Brasil